BAIXE E OUÇA O ÁLBUM VIOLAR DO SELO INSTITUTO

Otto

“O que poderia falar de uma música que homenageia o sensacional Chico Science, o Alto José do Pinho, junto com o a galera irmã do Instituto e ainda canto com meu amigo e ídolo Sabotage! Acho que é uma honra muito grande fazer parte deste álbum. Uma família e um grande momento da música brasileira. Viva Sabotage!

 

Criolo

“Me senti muito honrado, pois o respeito é muito e a admiração maior ainda. Uma música com a energia de tantas pessoas que eu prezo, foi mesmo um presente!”

 

Pupillo

"Trabalhar com o Instituto é mergulhar de cabeça num caldeirão de possibilidades onde todos que estão envolvidos podem, e devem interferir, pois o trabalho coletivo é a espinha dorsal dessa turma que além de promover grandes encontros, sintetiza como poucos a idéia de uma música brasileira para além das fronteiras regionais, e de rótulos reduzidos a um único estilo. É desse tipo de gente que eu faço questão de estar perto."

 

Curumin

“Instituto pra mim é trabalho de longa data e garantia de qualidade. Confiança total nesses bons amigos que sempre abrem trilha pra novos caminhos. Com um faro certeiro, se arriscam sem errar.

Quando eu gravei a minha faixa nesse disco, foi simples e fácil. Já encontrava e trocava música com eles há tempos. Estávamos na mesma sintonia, no real significado da palavra parceria.”

 

Tulipa Ruiz

"Sou fã do Instituto. Gosto das produções, das ideias, das bases e das trocas. Os caras promovem grandes encontros. Um dos baratos do Instituto é esse: envolver os convidados durante o processo de criação das músicas. Na minha participação eu inventei letra, experimentei no Garage Band, inaugurei uma parceria com a Karol Conká e tive a honra de cantar uma música canetada pelo Gui Amabis. Um disco do Instituto é um lugar de encontros. Não é demais?"

 

Lucio Maia

"Mais uma bombástica intervenção em conjunto Nação Zumbi e Instituto." 

 

Kiko Dinucci

"Instituto é o instinto de agrupar, agregar, reconfigurar universos distintos em junções sonoras que deságuam nos nossos ouvidos"

 

Thiago França

"Saudades dos tempos de vizinho do Instituto. Passava pra tomar um café e gravar uma música..."

 

Karol Conka

"Fiquei feliz com o convite. Instituto sempre teve minha admiração e participar desse trabalho me enche de orgulho e emoção, sempre quis ter um trabalho registrado com Instituto."

 

BNegão

 “Desde de que surgiu, esse coletivo é peça chave, uma fundamental base de lançamento e desenvolvimento da música feita hoje em dia, para as pessoas de hoje em dia."

 

Jorge Du Peixe

“É sempre bom trabalhar com o Instituto, são amigos que navegam na mesma frequência sonora.”

 

Alexandre Orion

"Acompanho hà 10 anos o trabalho dos irmãos do Instituto. É mágica o que eles fazem, e a qualidade do que fazem. Os caras criam paisagens sonoras, imagens musicais, eles te colocam numa atmosfera completa em que o som tem temperatura, textura, densidade e sentimento."

 

Gui Amabis

“Não sei quantas vezes parei pra pensar na importância do Rica na minha vida. Irmão, amigo e parceiro, me mostrou sua paixão pela música da maneira mais generosa possível. O Instituto faz parte de tudo isso, muita gente massa pensando livremente, o que importa é a música, é disso que se trata.”

 

MTakara

“O Instituto pra mim sempre teve uma energia de família. em parte por causa do meu irmão Daniel Ganjaman, mas mais ainda pelo espírito agregador com o qual eles criam suas músicas e parcerias.  Poucos artistas conseguem traduzir esse espírito para música tão bem quanto eles. Quando gravei os vibrafones para esse disco mal poderia imaginar que quase meia década depois estaria numa seleção com tantas pessoas e músicas incríveis. A surpresa de ouvir a faixa pronta anos depois, com suas texturas e beleza atmosférica, é inspiradora e gratificante... o Instituto tem esse talento especial de surpreender e inspirar tanto quem escuta sua música quanto quem participa dela. "

 

Sabotinha

“O pessoal do Instituto foi dos que ajudaram bastante a carreira do meu coroa, se não fosse pela ajuda e consideração deles, ele não chegaria tão fácil aonde chegou. No Instituto sou programado pra rimar, dizia meu coroa.”

 

Daniel Ganjaman

“O Instituto foi minha maior escola de relações profissionais e pessoais, já que na música isso facilmente se mistura. 

A liberdade criativa que o núcleo se propõe não determina limites, gerando não só um resultado primorosamente inusitado como um link de relações entre artistas que não necessariamente dividem um mesmo conceito estético, mas que acabam tendo uma forma de trabalho muito parecida. O Instituto foi não apenas importante, mas necessário para o estabelecimento da cena musical como temos hoje, totalmente articulada e interligada. Esse hub de idéias vem totalmente sintetizado nesse último disco, com uma sonoridade extremamente particular e autêntica. Tenho muito orgulho de fazer parte desse trabalho, e de ter feito parte dessa história.”